Notícias

07/06/2019 14:06


Múmia egípcia de mais de 2,5 mil anos é encontrada em Cerro Largo RS.

      O crânio de uma múmia egípcia foi identificado em uma pequena cidade do interior do Rio Grande do Sul.
      Descoberta fascinante
     
Cientistas brasileiros fizeram uma descoberta muito interessante e curiosa: pesquisadores da PUC (Pontíficia Universidade Católica) do Rio Grande do Sul descobriram um crânio de uma múmia egípcia na cidade de Cerro Largo, no interior do estado gaúcho, na qual vivem apenas 14 mil habitantes. Ela estava exposta em um pequeno museu local, e acredita-se que ela tenha sido trazida pelos egípcios na década de 1950; no entanto, foi só em 2017 que o item raro começou a ser estudado, e o que ninguém dava muita bola provou ser uma peça raríssima. Depois do incêndio que devastou o Museu Nacional brasileiro no ano passado, existem apenas mais uma peça semelhante no Brasil.  
     Confirmação através de estudos
    
Uma bateria de testes começou a ser feita na peça para descobrir suas origens e desvendar um pouco mais da história do misterioso crânio. O coordenador do Grupo de Estudo Identidade Afro-Egípcias da PUCRS, Édison Hüttner disse que a peça sempre chamou sua atenção: "Percebi a potencialidade do material", disse ele em entrevista à revista Galileu.
     A múmia foi batizada de Iret-Neferet e os testes apontam que ela tinha mais ou menos 40 anos quando morreu. Foi identificado também, aproximadamente, o período em que a mulher viveu, sendo este o período Intermediário III (1070-712) e no começo do chamado Período Tardio (Saíta-Persa: 712-332 a.C.) egípcio.
     Com as análises realizadas, foi possível determinar com um pouco mais de precisão a época em que Neferet viveu. Os testes feitos através do método de radiocarbono utilizando o Carbono 14 indicaram que a mulher viveu entre os anos  768-476 a.C, o que significa que mais ou menos 2.495 e 2.787 atrás.
     Contudo, o local de origem da múmia ainda é incerto. Boatos afirmam que o crânio chegou ao Brasil por meio de um egípcio, e a sua cabeça foi deixada como herança para um brasileiro, que doou o crânio para o museu de Cerro Largo, a 500 km da capital Porto Alegre.
     Segundo os pesquisadores, a múmia encontrada possui grande parte das características das múmias do Egito, o que reforça ainda mais a teoria de sua origem. Duas das principais características em comum em todas as múmias são o olho calcificado e a marca de perfuração. "Comparamos [as imagens] com as de outras múmias", relatou Hüttner. A marca representa a perfuração na altura do nariz, utilizada para a remoção do cérebro das múmias. Além disso, Iret foi encontrada envolta a 22 faixas de linho e de seda, e também vários fios de cabelo.
    Algumas múmias no Brasil
    
Atuamente, exite apenas mais uma peça rara de múmia vinda do Egito no Brasil. A outra chama-se Tothmea e foi primeiramente enviada aos Estados Unidos no ano de 1995 e depois transferida para o Museu Egípcio Rosa Cruz de Curitiba, no estado do Paraná.
    Algumas outras peças raras egípcias haviam sido trazidas para o Brasil pelos então imperadores Dom Pedro I e Dom Pedro II, porém foram destruídas no incêndio que devastou o Museu Nacional no Rio de Janeiro. Realmente, precisamos sempre valorizar os museus brasileiros.
    (Fonte: Revista Galileu /Imagem: Divulgação) 

EM DESTAQUE

SESC Santo Angelo Publi

Sindilojas

Pousada das Missões

Mais notícias

  • Aguarde, buscando...