Notícias

02/03/2021 11:13


Otávio Reichert - INTEGRANDO 02/03/2021 Editar

Estamos condenados? Certa vez um pessimista teria dito: “Se tudo der certo na vida, mesmo assim no fim você morre.” Meus assíduos leitores sabem que sou otimista e assim continuaremos, porém ao que parece os Lockdown e uso de máscaras serão eternos, pelo menos para quem já adentrou a terceira idade. Também será perene a proibição de festas e reuniões, missas e cultos. Ostensivos abraços poderão sofrer multas, e assim por diante, mesmo depois que a quase totalidade tenha sido vacinada com duas doses anti Covid-19 e decorrido o tempo previsto.

     Sabe-se que o uso da máscara e demais itens de precauções limitam o contágio, porém mesmo assim inúmeras pessoas que seguem à risca os protocolos também adquiriram o Covid. O presidente da República erradamente deixou de usar a máscara e desaprova os Lockdown, alegando ter pouca eficácia e que mais dia todos serão contaminados. Também que o Brasil deveria adotar os medicamentos preventivos em escala maior, mas diga-se que a experiência de Itajaí – SC foi pouco eficaz, seja porque não deu continuidade ao tratamento com Ivermectina ou pela pouca adesão dos munícipes. Sobre as ações dos governos estaduais e municipais, limitando as interações do povo para diminuir os contágios, sabemos que o preço é alto. A paralisação de atendimentos preventivos e cirurgias já começou a apresentar significativo número de óbitos de outras patologias, bem superior ao Covid. Se mesmo com boa parcela cumprindo os cuidados estamos com saturação hospitalar, imagine com liberdade total. Sabe-se que a grande maioria descumpre os protocolos, e quando liberados do trabalho viajam, acampam, etc. Atualmente estamos vivenciando a crise pós carnaval, seja pelos passeios ou festas clandestinas. Se nada fosse adotado o quadro seria ainda mais grave, daí a pergunta: quais medidas são as mais corretas?

Sobre as vacinas, conforme as diretrizes da bula do Instituto Butantan, as reações adversas variam de 1 a 10% na maioria dos quesitos. E ao imunizante mensageiro criado com eficácia e segurança aceitáveis, o mRNA, declaram possíveis eventos adversos imprevisíveis ou desconhecidos. Por enquanto as reações que levaram a óbito estão baixas, também conforme as notificações à Anvisa, que não emitiu Parecer de Aprovação à vacina, tampouco se manifestou às adversidades de reação e mortes advindas da vacina por não atingir a “margem de até 10%” previstos. A dúvida maior está nos efeitos a longo prazo, embora aleguem não haver alteração genética.

Paralelo ao mencionado, pesquisadores da UFRJ, Instituto Vital Brazil e Fiocruz apresentaram à Anvisa seus ensaios pré-clínicos de soro equino contra Covid-19, feitos na “moda velha”, mais segura sob o ponto de vista de reações futuras, porém não liberadas em caráter emergencial, daí a solicitação do Ministro da Saúde Eduardo Pazuello, por segurança institucional, da assinatura de um Termo de Responsabilidade de quem for vacinado.

Finalizo lembrando supérfluo adágio: “Se correr o bicho pega, se parar o bicho come!” 

D:MúsicasMauricéiaEscola2020DownloadsIMG_20210131_191734.jpgEscorpiões – Inúmeros terrenos baldios e quintais santo-angelenses apresentam a presença dos perigosos escorpiões. Uma das formas de controlá-los é através de aves, a citar galinhas, incluindo as de angola. Trouxe um casal de garnisé (foto), isto após preparar gaiola e comprar ração. Infelizmente estavam contaminados pela Bouba, e a “tristeza” os matou, deixando meu galinheiro vazio.
Conforme biólogos, dentre as opções está o ácido bórico, óleo de cedro ou o óleo de lavanda. 

Humor – Um garnisé seguidamente era humilhado pelo galo. Certo dia ele conheceu uma galinha de angola que cantava “Tô fraco Tô fraco!”. Como lhe sobravam energias, mas não era o chefe do galinheiro, falou ao galo: - Já que te achas superior a mim, vá ciscar comida para as pintadinhas!

 

EM DESTAQUE

Pod Cast

O Pod Cast do Portal das Missóes traz muita História, Entretenimento e Noticias da Região. Acompanhe aqui!!

Saiba mais

Facas Artesanais de disco Tatu

Faca artesanal de feita de disco de arado tatu com cabo anatômico, bainha de couro com passador.

Saiba mais

Mais notícias

  • Aguarde, buscando...