Notícias

18/05/2018 09:49


ANAHY DE LAS MISIONES, por João Antunes.

Anahy é o reflexo do espírito do gaúcho, um ser solitário, guerreiro, com grande desapego vagando campo afora em busca de changa (trabalho) e defensor dos limites geográficos. Espirito este que colonizou o Brasil em busca de terra e liberdade.
Ainda Anahy faz-nos lembrar o gaúcho destemido, corajoso, altaneiro no trono do basto junto ao seu amigo inseparável, o cavalo. Anahy traz viva a identidade dos gaúchos que, nas revoluções, guerras e batalhas do dia a dia, são corajosos, amam e lutam por liberdade. 
O filme Anahy de las Misiones, de Sérgio Silva (Anahy significa na língua dos nativos “mulher brilhante, talentosa, bela for do céu”) é uma produção que traz no bojo e na base da sua essência a temática, o elemento campesino e o bucólico do nosso meio rural como elementos fortes, que retratam a identidade deste Estado gaúcho, pois o conjunto de caracteres do sulino brotou da sua ligação à terra, em especial ao Pampa, com inspiração e gosto à liberdade, andar no lombo do cavalo  e ter suas próprias regras. E a imagem desse legado que se expressa no passado agrário é um farol que permanece aceso.
Os filmes que retratam o cenário rural sempre tiveram um público mais elevado. Eu sou testemunha disso na realidade local. De 1965 até 1978, existiu em Bossoroca o Cine Zanotto. Eu trabalhei um ano nesse cinema como porteiro em 1977, quando estava alugado para o senhor Juvenil Antunes de Jesus, o popular Jubão. Lembro-me que em dezembro de 1969, primeira vez em que fui ao cinema assisti ao filme Não Aperta Aparício, dirigido por Pereira Dias e estrelado pelo cantor regionalista José Mendes do qual sou fã das suas obras. O Cine Zanotto abarrotava de gente quando vinham os filmes do José Mendes e Teixeirinha em especial quando eram voltados à temática rural.
Outros filmes, na televisão, foram marcantes na filmografia gaúcha como, por exemplo, Ana Terra, de Durval Garcia; Capitão Rodrigo, de Anselmo Duarte, ambos baseados na obra do imortal Érico Veríssimo. Netto perde sua alma, de Tabajara Ruas e Beto Souza. Também Negrinho do Pastoreio, de Antonio Augusto Fagundes, baseado na obra de Simões Lopes Neto. 
Anahy de las Misiones, uma mulher pobre, é o exemplo típico de um filme que campeia o rastro do mundo e do imaginário rural onde o nosso passado inspirou essa produção que também sintetiza a formação da nossa identidade. 
Anahy, que no filme é Aracy Esteves, com seus filhos, parecem certas aves de rapina que buscam os restos para a sobrevivência, onde trazem consigo um carroção com despojos, os restos daqueles que tombaram na guerra. Vivendo agruras e adversidades ela é uma mulher forte, corajosa, obstinada e, por não ser aquerenciada, é nômade buscando a vastidão do Pampa que vive um momento adverso. 
Anahy é um exemplo de mulher-comandante que, mesmo andarilha, sabe cuidar com afinco e determinação os seus familiares compostos por três rapazes e uma jovem. Anahy exerce forte influência na vida dos filhos e orienta sua filha a viver com roupas esfarrapadas para esconder a sua beleza nos campos de batalha. 
Quando ela bate de relho em Leon faz isto para sustentar o seu poder de mando. Ela não se humilha perante os comandantes pelo fato de ser mulher. O respeito a ela também é prestado em virtude dela ser habilidosa no manejo com a sua faça e sua arma de fogo. Seu vocabulário é forte e incisivo e ela demonstra ser uma mulher assexuada devido as agruras enfrentadas e os predicados bem como sua vestimenta fazem dela uma espécie de mulher respeitada e com personalidade masculinizada. Anahy não aceitou o pedido de casamento de seu ex-amante e nisto ficou evidente que ela prefere a liberdade e sua independência. 
Picumã (a brava morocha) e Luna, que mais tarde engravida de um médico por quem se apaixonou, também nas asperezas da guerra, mesmo sendo diferentes de Anahy, acabam por força das circunstâncias adquirindo a mesma cultura da mãe em defesa da família. Os filhos homens já não herdam a mesma valentia e coragem que são vistas e notórias na sua mãe.
No filme, na família de Anahy, as mulheres se expressam como seres humanos fortes, aguerridas e de personalidades marcantes enquanto os homens se identificam mais pelo lado frágil que carece do amparo feminino.
Percebe-se no filme que o fogo de chão, o churrasco, o chimarrão e a fala são traços da nossa cultura gauchesca. O próprio sotaque vem carregado de um misto que aglutina espanhol e português arcaico típico do nosso linguajar missioneiro e fronteiriço onde aqui além dos limites geográficos há uma fronteira cultural que nos abraça e nos irmana.
O filme faz um passeio nas belas paisagens deste estado rio-grandense-do-sul em diversos cenários desde os Pampas na região de Uruguaiana, passando pelos morros do Dorçal das Encantadas e daí até os cânions da serra em Cambará. 
Anahy de las Misiones, lutando pela sobrevivência, é uma mulher que pelas forças das circunstâncias torna-se uma referência e um exemplo de mãe no seu firme e inabalável propósito de manter a família unida negociando os despojos dos combatentes mortos nos acampamentos por onde passa de ambas as facções na crueldade da guerra. 
Site: Escritor João Antunes poeta, historiador e compositor 
Facebook = João Carlos Oliveira Antunes
Bossoroca (55) 9999-42970 joaoantunes10@terra.com.br  

EM DESTAQUE

Erva Mate Verde Real

Empresa familiar, com seu fundador Delfino Shultz, iniciou no ramo de erva mate no ano de 1989

Saiba mais

Facas Artesanais de disco Tatu

Faca artesanal de feita de disco de arado tatu com cabo anatômico, bainha de couro com passador.

Saiba mais

Mais notícias

  • Aguarde, buscando...