Notícias

22/06/2018 15:04


INVERNO, NEVE, GAROA E GEADA, por João Antunes

      Se a estação do frio, de 21 de junho a 23 de setembro, com o seu jeito frígido quando chega aqui nas bandas do sul, com seu manto branco e gélido corroborado pelo sopro do vento, geada, garoa e, às vezes, a neve faz a gente tiritar nessas adversidades que afetam a vida animal e vegetal, por outro lado, nesta época também é tempo de buscar agasalho, comidas mais calóricas, bebidas fumegantes, ler bons livros e viver mais de perto a solidariedade e a fraternidade. 
Geada é um fenômeno da natureza que acontece quando se formam camadas bem finas de gelo sobre as plantas, terra e  superfícies lisas. Já a neve é um fenômeno meteorológico que origina-se quando as nuvens estão com temperatura inferior a 0°C, e assim, o vapor de água se condensa formando cristais de gelo, que se apresentam de diversas formas.
A culinária ganha reforço nos pratos típicos desta época como, por exemplo,   vaca atolada, mocotó, arroz carreteiro, sopas, vinho, pinhão, risoto, chocolate quente, churrasco, feijoada, polenta, café, cuca, bolinhos de chuva, queijo, salame, doces caseiros. 
Além do Polo Sul e Pólo Norte, os países mais frios Islândia, Finlândia, Mongólia, Canadá, Rússia o país mais frio de todos. 
As temperaturas de inverno em Oymyakon, uma aldeia na Rússia, que já registrou no inverno 71,2 graus negativos, mas a temperatura mais baixa registrada neste planeta foi dia 21 de julho de 1983, com 89, 2 graus Celcius negativos, na estação de pesquisa russa Vostok, na Antártida. 
Cidades mais frias do Brasil: São Joaquim, Urupema (que significa peneira) e lá existe uma localidade interiorana cujo nome é Bossoroca e Urubici, que quer dizer pássaro lustroso, em Santa Catarina; Inácio Martins, Paraná (que quer dizer rio caudaloso); Monte Verde, Minas Gerais; Campos do Jordão, São Paulo. 
Cidades mais frias do Rio Grande do Sul: São José dos Ausentes, São Gabriel  que é considerada a “Atenas Riograndense”, herança do desenvolvimento da cultura imperial e a arquitetura com edifícios em estilo colonial;   Vacaria, Bagé (que significa serro ou colina),  Quarai (que quer dizer rio das garças). 
La Rinoconada é uma cidade que está situada há 5.100 metros de altitude nos altiplanos Andinos no Peru e tem uma temperatura média anual de 2,7 °C. 
Sabe-se que aqui nos Brasil o ano de 1933 foi muito frio.
No dia 20 de julho de 1953, houve recorde de temperatura baixa no Brasil onde em Xanxerê (que significa campo de cascavel) foram registrados – 11,1°C. 
Meu pai sempre falava que os anos de 1953 e 1955 em Bossoroca (que significa Iby-Soroc, barroca)  foram rigorosamente frios devido a uma enorme massa polar. 
Em 1955, no Rio Grande do Sul, o frio recorde foi de – 9,8°C, em  Bom Jesus. 
Depois foram muito frios os anos de 1957 e 1965.
Quando eu estudava na sétima série do curso ginasial em 1975, lembro-me quão grande foi o frio naquele inverno aqui neste Estado e no sul do país. Houve um evento climático nesse ano que foi a geada negra, dia 18 de julho, que dizimou as lavouras dos cafezais de Maringá (união das palavras Maria e Ingá), Londrina (que significa pequena Londres) e Umuarama (que significa lugar arejado) no Paraná.
Agora colocando um pouco de humor: realmente 1975, foi muito frio. Lembro-me que numa ocasião nesse inverno rigoroso pendurei o meu casaco num prego na parede e estava tão frio, mas tão frio mesmo, que o meu casaco ficou tremendo. 
Dia 28 de junho de 2011, foi registrada a menor temperatura no Brasil, ou seja, - 8,8 °C em Urupema – Santa Catarina. 
O frio quando em baixas temperaturas pode encantar pela beleza do poncho da neve encobrindo de branco certas cidades, mas em contrapartida pode pelo poder da geada, se ela for súbita e intensa, ser um enorme pesadelo os produtores trazendo flagelo às plantações.
Conforme a mitologia grega para o outono e inverno Zeus, no seu matrimônio com Deméter, teria estabelecido que sua filha Perséfone ficasse meio ano ao lado da sua mãe e só depois deveria ir para o reino subterrâneo junto com o deus que lá habita, que é Hades. A tristeza de Deméter faz com que a deusa pudesse prover a terra com enorme fertilidade e germinação estimulando o aparecimento dessas estações onde os grãos ficam adormecidos no solo à espera da colheita. 
E o inverno fica mais aquecido com lareiras, borralhos, com abraços, cobertores, bicharás e moletons. 
Se nas estações da vida e se em especial no inverno houver frio nos corações é imprescindível que pensemos e exercitemos o aconchego, pois só o calor do amor traz conforto de primavera aos nossos semelhantes. Esta regra vale para as pessoas bem como para os animais, pois todos somos irmãos neste plano cósmico. 

ENFRENTANDO O FRIO DE JULHO
     O minuano “bordoniando” / Cá nas frinchas do galpão
Com garoa “guasqueando” / Encharcando bem o chão
E na grama ali da frente / Juntinho da criação
Vai pastando, reticente, / O meu potro alazão.
     O tempo me dá sinal / No jeito em que se apresenta,
Pois da banda oriental / Veio massa “friolenta”,
O meu galpão é trincheira / Onde eu fico “encurujado”
Senão quedava em pesteira, / Entanguido, “aquebrantado”.
     Oigalê frio pavoroso / Castigando o mês de julho,
O porco ronca, manhoso, / A pomba não faz arrulho,
A cachorrada não late / E dorme toda encolhida
Só na seiva do mate amargo / Eu encontro mais guarida.
    To louco pra “tomá” um trago, / Mas fica longe o bolicho,
Pois esta aragem de inverno / Vira até o pelo dos bichos
Então somente me resta / Neste anseio que transborda:
Depois da bóia e da sesta / Vou ter que lidar com as cordas.
     O tronco dum espinilho / Empurro para o braseiro
As chamas vão dando brilho / E um calor galponeiro.
Pena que esteja distante / A prenda dos meus achegos
Pra ser minha amada-amante / No meu catre de pelegos.
Letra: João Antunes e Afrânio Marchi. 
Site: João Antunes
 poeta, historiador e compositor 
Facebook = João Carlos Oliveira Antunes
Bossoroca (55) 9999-42970 joaoantunes10@terra.com.br 

EM DESTAQUE

Churrascaria do Chico

Fazendo vontades com sabor, qualidade e economia.

Saiba mais

Roteiro por São Miguel das Missões

É cercado de lendas e costumes, símbolo da Nascente do Riogrande, Patrimônio da Humanidade.

Saiba mais

Mato Queimado

Mais notícias

  • Aguarde, buscando...