Notícias

08/01/2020 15:13


"El Gauchito Gil" ou como "Curuzú Gil"

    Antonio Mamerto Gil Nuñez, mais conhecido como "El Gauchito Gil" ou como "Curuzú Gil" (de Guarani Curuzú = Cruz) é talvez um dos representantes mais importantes do que Marta De Paris chama de Santoral Profano Correntino (1988). Há mais de cem anos, está em vigor em sua província, mas nos últimos anos transcendeu primeiro para a costa, especialmente Misiones e Formosa e depois para o resto do país. Verificamos a existência de locais de culto de Salta a Ushuaia.

A história
Existem versões diferentes sobre o tempo e o motivo de sua morte. Sabe-se que foi durante o século XIX, em alguns casos, em 1890, que outros ocorreram entre 1840 e 1848. Todos concordam que sua morte ocorreu em 8 de janeiro, ocorrida no meio das constantes lutas fratricidas entre os liberais (ou celestes). ) e os autonomistas (ou colorados), que o gaúchito era inocente e que ele foi morto injustamente.

Ele era natural da região de Pay-Ubre, hoje Mercedes, Corrientes. Ele fora preso pelo coronel Zalazar acusado injustamente de desertor e covarde. Ele foi transferido para a Mercedes e de lá seria enviado para Goya, onde ficavam os tribunais. Sabia-se que os prisioneiros que tinham esse destino nunca chegaram a Goya, eles sempre " tentaram escapar na estrada, houve um tiroteio e o prisioneiro morreu inevitavelmente."As pessoas descobrem a prisão de Gil e se mobilizam para apoiar o coronel Velázquez, que reúne uma série de assinaturas e vem a Zalazar para interceder. Ele faz uma anotação deixando o gaúcho liberado que foi enviado à Mercedes, mas Ele já havia sido levado a tribunal.

A tropa composta pelo prisioneiro, um sargento e três soldados para em uma encruzilhada. O gaúcho sabia que ele seria executado e disse ao sargento: " Não me mate porque a ordem do perdão está a caminho ", para a qual o soldado responde: " Você não está salvo deste ". Antonio Gil responde que ele sabia que finalmente seria decapitado, mas que, quando voltasse para a Mercedes, informaria que seu filho estava morrendo e como ele iria derramar sangue inocente que o invocaria para que ele interceda diante de Deus pela vida de seu filho. Era sabido que o sangue de inocentes servia para realizar milagres. O sargento zombou e o executou.

Quanto ao caminho da morte, existem várias versões:

1) Eles o amarraram a um poste ou a uma árvore e o atiraram com armas de fogo, mas nenhuma dessas balas entrou no corpo, pois a crença popular diz que quem usa o amuleto da Santa Morte não entra nas balas e presume-se que Gauchito era um devoto do "Santito". Então o sargento ordenou que ele se pendurasse e ali o matou.

2) Ele morreu após várias tentativas de disparar com armas, porque uma bala finalmente entrou no coração.

3) Ele foi pendurado em uma alfarrobeira, de cabeça baixa e depois abatido, porque tinha o poder de hipnotizar as pessoas "apenas olhando-as nos olhos".

O jogo voltou para Mercedes e o sargento descobriu o perdão e, lembrando as últimas palavras de Gauchito, foi para casa, onde descobriu que seu filho era muito sério, com febre alta e que o médico o expulsara. Então ele se ajoelha e pede a Gauchito que interceda diante de Deus para salvar a vida de seu filho. Ao amanhecer, o milagre havia sido feito e a criança havia sido salva. Então o sargento construiu com as próprias mãos uma cruz com galhos ñandubay, levou-a sobre seus homens e levou-a para o local onde havia matado o gaúcho. Ele colocou a cruz, pediu desculpas e agradeceu.

A cruz deu o nome à encruzilhada e, com o tempo, tornou-se um local de peregrinação.

Lendas sobre Gauchito Gil
Duas histórias são contadas sobre o local onde o santuário foi construído e o desejo de Gauchito de continuar hospedado naquele local:

1) Ao longo dos anos, havia tantas promessas que eles iam visitar o santo e acenderam velas, que o dono da sala sentiu medo de que o campo o incendiasse e levasse o corpo ao cemitério local. Dizem que esse fazendeiro era um homem rico, com uma família saudável e bem estabelecida. Mas a partir do momento em que decidiu tirar o oratório dali, começou a ter problemas econômicos, um de seus filhos morreu de uma doença estranha, a fazenda ficou doente e os campos estavam secando. Ele próprio cai na cama e os médicos não conseguem o diagnóstico correto. Um dia, uma mulher que havia chamado para curá-lo diz que ele melhoraria quando trouxesse o oratório gaúcho de volta ao seu lugar. O fazendeiro construiu um mausoléu juntamente com uma cruz esculpida em madeira fina no local onde ele morreu e também deu amplo espaço. A partir desse momento, tudo melhorou para o dono do campo. O gaúcho permaneceu enterrado no cemitério local, mas o local de sua morte se tornou um centro de culto.

2) Alguns fatos surpreendentes começaram a acontecer quando a rota foi pavimentada e os engenheiros decidiram que o mais prático era traçar uma linha reta para encurtar distâncias, mesmo que ela passasse pelo oratório Gauchito e, portanto, era necessário movê-la.

Os operadores disseram que "não era bom rever terras sagradas para os Correntinos", mas os empresários ignoraram esse aviso. Muitos peões se recusaram a cumprir a ordem e se demitiram. Quando estavam perto da área em questão, as máquinas se recusavam a avançar, nem os operadores, a mecânica nem os chefes conseguiram colocá-la em operação se a direção fosse para o santuário. Os operadores começaram a desertar porque pensavam que era todo o trabalho dos gaúchos que se recusavam a ser removidos daquele lugar. Diante de tantas dificuldades, eles decidem respeitar a curva e a estrada faz uma curva. O Oratório é assim respeitado e os engenheiros pedem perdão e proteção ao trabalho.

A imagem de Gauchito Gil
Para alguns, era um cuatrero, um gaúcho criado, um fugitivo acusado de todos os fatos criminais não resolvidos. Para outros, era "Robin Hood", ele roubava os ricos (especialmente aqueles que se aproveitavam dos compatriotas) e os dava aos pobres e ajudava os necessitados. Ele era um gaúcho justo. Ele fez o que muitos não ousavam fazer. Ele foi vingador de seus infortúnios.

O culto de Gauchito Gil. Santuários principais
O santuário principal está localizado no cruzamento das rotas nº 123 e 119, a 8 km da cidade de Mercedes (antigo Pay-Ubre). À distância, você pode ver as cem tacuaras com bandeiras vermelhas, o mausoléu com as placas de agradecimento e uma enorme quantidade de ofertas semelhantes ao que acontece no santuário de Vallecito da Difunta Correa : muletas, vestidos de noiva, brinquedos, casas feitas em miniatura, autitos. Selos do santo com os pedidos escritos atrás ou com expressões de agradecimento.

Santuário Gauchito Gil
Santuário de Gauchito Gil ao lado da rota. As tacuaras com bandeiras vermelhas são indicadores dos locais de culto localizados ao lado de estradas e caminhos.

A cor vermelha é a marca registrada de Gauchito Gil que se manifesta em velas e principalmente em fitas com o pedido por escrito ou agradecimento. É costume deixar uma fita amarrada às milhares de fitas que estão lá e remover outra já "abençoada" pelo santo que é colocado no pulso, no espelho do carro ou em algum lugar privilegiado da casa para proteger ou ajudar .

Vários dias antes de 8 de janeiro, data do aniversário de sua morte, as pessoas começam a se reunir e a passar a noite em tendas. Os negócios são improvisados, você dança o ritmo do chamamé, quiosques que vendem bebidas e lembranças. Os cavaleiros se aproximam carregando bandeiras e faixas em tacuaras para deixar no lugar, que também é coberto de flores vermelhas. O padre de Mercedes oficia uma missa pela alma de Gauchito. No terreno doado pela fazenda, foi construído um prédio onde as ofertas se acumulam, lugares para acender velas e prédios com banheiros, chuveiros, bares e outras comodidades para quem vem rezar.

Os outros santuários do Gauchito Gil erguem-se principalmente na costa, embora seu culto se estenda gradualmente ao resto do país, conforme certificado pelos oratórios existentes nos Vales Calchaquí, Salta e em Ushuaia, Terra do Fogo. Suas impressões são distribuídas nos metrôs de Buenos Aires e vendidas nas santerías de Buenos Aires e nos negócios de Luján, ao lado da Virgem. Sua imagem também é adicionada como uma oferta nos santuários de outros santos populares, como o Cinturão Morto. As fitas vermelhas com seu nome e o pedido de proteção para quem é o proprietário, penduram nos espelhos de cem carros e são amarrados em locais visíveis das lojas.

Os locais escolhidos são a encruzilhada, onde as fitas vermelhas são amarradas ao galho de uma árvore ou a um tacuara preso no chão. São lugares de parada forçada de todo viajante. Ônibus e caminhantes param por um momento para cumprimentar o Gauchito. Na província de Formosa, onde existem oratórios muito próximos, os motoristas buzinam ao passar. Se isso não fosse feito, ele não teria a proteção do santo no resto da viagem e poderia ocorrer um infortúnio.

O limite do que é pedido ao gaúcho é colocado pela pessoa que solicita: saúde, dinheiro, trabalho, amor, nos casos em que é necessária coragem para enfrentar uma situação e fundamentalmente proteção para os viajantes.

Homenagens a Gauchito Gil em música e poesia
Há poemas em sua homenagem como o que Florencio Godoy Cruz escreveu e um chamamé com música do compositor Roberto Galarza intitulado "Injusta Condena":

Naquela cruz da estrada
da vida e da morte
, sempre havia uma
fiel espinha guardiã da sua morte.

O vento embalava bandeiras
envoltas em tacuaras
e naquelas luzes vermelhas
seu povo reza diante do ara.
(Refrão)

Você se ofereceu ao Redentor
para aliviar o sofrimento
e ver seu povo feliz
em um milagre de amor.

Antonio Gil, você se considerava um
nobre gaúcho de boa alma,
sua vida foi cortada
por uma sentença injusta.

 

Extraído do cdrom "ALMAS MILAGRES, SANTOS POPULARES E OUTRAS DEVOÇÕES" por María de Hoyos e Laura Migale, NAyA Edition.

Amém
Gauchito Gil...

EM DESTAQUE

Tenda da Terra

Artesanato Indígena, Artigos Gaúchos, Quadors, Esculturas, Pintura em Tela, Camisetas, livros, Porcelanas, Cestarias e Lembranças da região.

Saiba mais

Associação dos Municípios das Missões AMM

Têm em comum a história e a disposição de luta pelo crescimento econômico e social da Região Missões.

Saiba mais

Mato Queimado

Mais notícias

  • Aguarde, buscando...