Detalhes do Site

Reduções Jesuíticas – RESUMO - 1º E 2º Período



    1º E 2º Periodo das Reduções Jesuítas a diferença.
    AS REDUÇÕES JESUÍTICAS (1609-1706).
    O PROCESSO DE COLONIZAÇÃO EUROPEIA NO ATUAL RIO GRANDE DO SUL: 
        Desde 1609, Padres Jesuítas, missionários da Companhia de Jesus deram início a um trabalho de evangelização dos índios da vasta Província do Paraguai. Tiveram grande sucesso junto aos grupos Guarani, que viviam em aldeias agrícolas, num sistema semi-nômade, não havia terreno e sim regiões. 
        O interesse do Império Espanhol era tomar posse das terras da Bacia Platina, como objetivo a conversão e colonização dos indígenas ao cristianismo, por ordem da coroa é instalada a primeira Redução, a de São Ignácio Guaçú, território Espanhol determinado pelo Tratado de Tordesilhas.
        Num período de mais ou menos um século, entre 1609 a 1706, os jesuítas expandiram sua evangelização pela região de Tape (Rio Grande do Sul). No Tape, a fundação dos povoados de Santo Tomé, São Miguel, São José, entre outros, representou uma dilatação das Missões do Paraguai para os territórios que hoje configuram o Rio Grande do Sul, as Reduções do Tape estão relacionadas à primeira fase missioneira, período que corresponde a 1626/1637– 11 anos. 
        Após a Batalha de M’Bororé em 1641, entre os Guarani X bandeirantes os padres missionários fogem do que hoje é RS, passando para o lado de lá do Rio Uruguai, hoje território argentino, deixando gado trazido pelo jesuíta Cristóvão de Mendonza que multiplicam-se e tornam-se um dos principais motivos para o seu retorno 40 anos depois.
        Neste período de 11 anos foram fundados 18 povoados, mas, que pela resistência indígena aos colonizadores e a ação criminosa dos bandeirantes paulistas não houve condição de se desenvolver as reduções.
        A partir de 1682, 40 anos depois da primeira fase missioneira, por orientação do império espanhol, os padres voltam para fundar os Sete Povos das Missões, que além do objetivo de “catequisar” os indígenas, vir a garantir a posse das terras para a coroa com a formação de fronteiras entre Portugal e Espanha e acabar com a disputa de terras em que este periodo termina em 1756 com o fim da guerra e distribuição dos povos pelo Rio Grande do Sul. (1682 a 1756)
        Os Sete Povos fazem parte da segunda fase missioneira, onde se fundam as reduções, com os primeiros núcleos urbanos do RS. O primeiro povoado da segunda fase foi São Francisco de Borja (1682), depois se reergueu São Nicolau (que antes era um povoado, uma aldeia de cabanas e ocas), em 1687 reerguem São Miguel Arcanjo e fundam São Luiz Gonzaga, São Lourenço Mártir (1690), São João Batista (1697) e o último dos Sete, Santo Ângelo Custódio (1706) e transferido para o que hoje é o centro histórico do atual município em 1707. 
        Por isso o município de São Nicolau pode ser considerado como a “primeira querência do Rio Grande”. Teve também na primeira fase a redução de São Miguel Arcanjo que foi fundada em 1632 pelo jesuíta Cristóvão de Mendonza que hoje seria mais ou menos na área que está o município de São Pedro do Sul.
        Basicamente a diferença entre a primeira fase e a segunda, foi somente no que hoje é o Rio Grande do Sul a primeira fase não se desenvolveu, não se estruturou pela resistência indígena, os conflitos com bandeirantes (escravizavam os índios) e europeus (ouro), resultando na morte de padres e de índios.
        Por esse motivo os padres jesuítas abandonam o atual RS se instalam em território argentino, na época, espanhol. Um dos principais motivos que faz os jesuítas retornarem ao RS e fundar os Sete Povos foi a invasão dos portugueses em terras espanholas, como por exemplo, a criação da Colônia do Santíssimo Sacramento (hoje Uruguai) criada pelos portugueses em 1680, por isso a fundação dos Sete Povos para formar uma fronteira limite e impedir a ação dos portugueses em terras consideradas espanholas  seguindo a linha do Tratado de Tordesilhas.
    Esse texto teve como fonte:
    Nadir Lurdes Damiani.
    Coordenadora do Centro de Cultura Missioneira URI. 

  • Sobre

  • 1 São Nicolau (1626 – 1º Período)
    Fundador: Pe. Roque Gonzalez de Santa Cruz (1626, primeira fundação, depois no 2º período em 1687 os jesuítas voltam a habita-la.) - São Nicolau começou o movimento de resistência ao tratado de Madrid e que se espalhou para todas as missões. Para os índios Guarani essa ordem soava incompreensível por vários motivos.
    3 São Miguel Arcanjo (1632 – 1º Período) 
    Fundador: Pe. Cristovão de Mendoza - São Miguel Arcanjo tem sua origem numa aldeia fundada ainda no primeiro ciclo. Em 1687, São Miguel não retornou para o local onde estivera anteriormente, mas para onde hoje se situa. Esta redução se diferenciou das outras não somente administrativamente, mas pela rigidez do traçado imposto nas suas instalações. A igreja de São Miguel - Em estilo barroco, foi construída pelo arquiteto italiano Gian Batista Primoli, a partir de 1735. 
    3 São Francisco de Borja, (1682)
    Fundador: Padre Francisco Garcia com mil novecentos e cinquenta homens atravessa o Rio Uruguai, para fundar uma colônia para redução de Santo Tomé, que se desprendeu a uma légua da margem uma colônia com índios para fundação de São Borja, a que deu o nome de São Francisco de Borja. 
    Devido ao desenvolvimento desta colônia, em 1687 a redução de São Francisco de Borja passou a integrar os Sete Povos das Missões. Por isso é correto dizer que São Borja é a primeira Redução dos 7 Povos (2º Período das Missões Jesuítas no Brasil).
    4 São Luiz Gonzaga 1687
    Fundador: Padre Miguel Fernandez.
    5 São Lourenço Mártir 1690
    Fundador: Padre Bernardo de la Vega, com população proveniente da redução Argentina de Santa Maria, a Maior. Sua população ultrapassou a 6.400 habitantes em 1731
    6 São João Batista (1697)
    Fundador: Pe. Antônio Sepp - A redução de São João Batista foi fundada pelo padre jesuíta Antônio Sepp em 1697. O padre Sepp era detentor de várias habilidades artísticas que passavam pela música, pintura, arquitetura e escultura. Além disso, o padre Sepp era geólogo e minerador, tendo sido o pioneiro na fundição de ferro no sul do Brasil.
    7 Santo Ângelo Custódio (1706)
    Fundador: Pe. Diogo Haze - A Redução de Santo Ângelo, fundada em 1706, foi à última redução construída pelo ciclo missioneiro. Destruída na guerra guaranítica, hoje é uma cidade de referência no sul do estado. A sua Igreja Matriz mostrada na foto, foi construída em cima das ruínas da igreja anterior, e seguindo o projeto da Igreja de São Miguel das Missões; Detalhe: Todas as igrejas das Missões são voltadas para o norte, com exceção da de Santo Ângelo que foi construída voltada para o sul. 
    Site: Roteiro Entre Lendas Missioneiras
    Site: Roteiro do Chimarrão 
    Site: Roteiro entre Monumentos
    Site: Roteiro por São Miguel das Missões
     
    Site: Roteiro por Igrejas Missioneiras
    Vídeo: Filme A Missão Papa Envia Cardeal
    Vídeo: Filme A Missão 1986 Cardeal Chega as Missões.
    Vídeo: Filme A Missão Os Guaranis São Caçados
    Vídeo: Filme A Missão Padre Roque Gonzales é Morto
    Site: Itacuruacir nos aproxima de Tupã ao ser perdida.
    Site: Pedra Itacuru, Pedra Cupim ou Pedra Missioneira
    Site: Itacuruacir nos aproxima de Tupã ao ser perdida.
    Site: # Chimarrão uma das soluções para o mundo!
    Site: # Primeiro mate é do dono, por quê? 
    Site: # Mistério do Chimarrão.
    Site: Inácio de Loyola - Primeiro Jesuíta
    Site: Origem da Cruz Missioneira
    Site: Reduções Jesuítitas – RESUMO - 1º E 2º Período
    Site: Morte dos Caciques Sepé Tiaraju, Nicolau Ñanguirú e 1511 indios
    Gravataí a mais longínqua Redução; 

Informações

Reduções Jesuíticas – RESUMO - 1º E 2º Período
Outros, RS
URI - Centro de  Cultura Missioneira - Santo Ângelo
Telefone: (55) 3313-7929
Telefone2: (33) 3313-7900

Formulário para contato